O que acontece quando um estudante de Comunicação, fanático por música, resolve falar sobre o tema? A resposta está aqui... um blog ao estilo Jukebox de ser, que tenta fazer um mix de todos os questionamentos e dicas sobre uma arte essencial para viver, a música.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Interessante, não?!


Ontem, analisando os dois primeiros textos que escrevi, me dei conta de que, curiosamente, escrevi sobre duas personalidades extremamente distintas, distantes, não só nos traços físicos, no período histórico e nos locais em que viveram mas, principalmente, a distância entre os universos musicais que habitavam – o raggae e as marchinhas.


Enquanto pensava nessas diferenças, ligando esses dois personagens do mundo da música apenas pela qualidade dos trabalhos, fui levado a perceber que obras geniais eram apenas a ponta do novelo que os ligava. Embora Bob tenha nascido apenas 10 anos após a morte da Maestrina Chiquinha Gonzaga, a historia de vida desses ícones da música se relacionam em alguns pontos.


Comecemos pelo mais obvio deles, inegavelmente, ambos foram pessoas muito a frente de seu tempo. Revolucionários não só na música, como também na vida. Partindo daí, me veio à memória que, coincidentemente, tanto ele quanto ela era filhos de pais brancos com mães negras, tendo a genética atuado de forma diferente em cada um. Não escapando nenhum deles escapado dos preconceitos e dificuldades de tais heranças.


Sou o tipo de pessoa que não crer muito em coincidências. Neste caso em particular, não havia nenhum planejamento em escrever sobre eles (na verdade, quando recebi o convite pra colaborar com o blog fiquei desesperado achando que não saberia sobre o que falar). O texto da Chiquinha me veio a idéia de escrever após ver uma matéria sobre marchinhas de carnaval – enquanto passeava pelos canais –, já o de Bob, me deparei com uma nota informando sobre a data de seu aniversario no G1.


Pois bem, seja lá qual for o motivo de tal conexão que me ocorreu, fica em mim a certeza de que boa música definitivamente não tem tempo.

Viva a boa música!!!!


PS: Aí galera, comentem nos posts.

11 comentários:

Codinome H disse...

Bom texto ^^
A influência da música é muito importante. Ícones, mais conhecidos ou menos conhecidos, sempre têm sua importância.


abç ^^

Angel Ilanah disse...

a musica influencia o comportamento de gerações, e traz junto a si uma carga cultural riquissima.

somos ignorantes ainda, pois não conhecemos a boa musica e sim a comercialmente viavel






visite meu blog quando puder
http://sushidebanana.blogspot.com/

Bad Brain Machine disse...

na música sempre haverá a ligação extrema de ambas as partes e influências distintas entre todas as gerações.
abraço!

Fer Pocow disse...

Eu acho mera coincidência, mas que a música deles é boa, isso é, sem dúvidas.

Fique mais bonita disse...

Muitoo bomm o texto (:
gostei de verdade :D

Chris disse...

Apenas coincidência? Pode ser...
Mas, que cada um, em seu tempo e estilo, se destacaram e imortalizaram, é notável!

Fique mais bonita disse...

ksopksposk
é um blog,mais para mulheres
Que bom que vocÊ gosto visual,fico muito feliz :)

Lucas Conrado disse...

Boa música não tem tempo, não tem rítmo, nem sexo, nem cor. E acho que é isso que faz da música algo tão bom. Duas boas canções podem não se parecer em nada, mas ainda assim nos fazer rir e chorar...

Dr. Mário Serra Ferreira disse...

Muito bom o blog.
Parabéns....
A musica simplesmente determina o ritmo de nossa vida.

Blog Em Construção disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Blog Em Construção disse...

Cara gostei do artigo,mesmo porque eu não veria uma conexão tão direta entre eles.
Continuem com o bom trabalho no blog,está muito interessante:)
O Blogger não vai com a minha cara mesmo,demorou para eu conseguir postar o comentário aqui!!!!
Bjsssssssssssss!!!!!!!!
http://www.forazulcielo.blogspot.com/